Menu:


Ao Vivo

Links Úteis

Nossa Audiência


Estatísticas:

Total de visitas: 298576
Visitas hoje: 17


OBESIDADE

Dengue pode ser mais perigosa para pessoas acima do peso


RádioA obesidade pode ser considerada um fator de risco em pacientes picados pelo mosquito aedes aegypti. Isso porque o excesso de peso quase sempre agrega outras condições de saúde que potencializam os danos de qualquer infecção como, exemplo, a pressão alta, o colesterol desequilibrado e as alterações no funcionamento do coração. Este quadro clínico pode agravar os sintomas da dengue, zika e chikungunya que são a desidratação e a dificuldade na circulação do sangue. "O risco de o paciente entrar em choque é maior nestas condições. Por isso, os médicos que recebem os cardíacos e os obesos mórbidos com suspeita de dengue precisam ficar alertas", afirma o especialista em obesidade, cirurgião Caetano Marchesini.

AGRAVANTES
Segundo informações do Ministério da Saúde, o maior número de óbitos por dengue no Brasil está entre os pacientes que possuem alguma doença pré-existente. A dengue pode agravar doenças como hipertensão, diabetes, problemas cardíacos e respiratórios pelo fato de que propicia uma baixa da defesa do organismo em sua fase mais crítica. Segundo Marchesini, pessoas que possuem doenças pré-existentes devem procurar imediatamente um médico ao identificar qualquer sintoma da dengue, zika e chikungunya entre eles, febre, dores no corpo, nos olhos e nas articulações. "No caso de pacientes hipertensos contraírem a dengue, é necessária hidratação com controle rigoroso da pressão arterial", reforça o cirurgião. A médica e clínica geral, Mirella Massolo, explica que vítimas da dengue, sofrem da chamada permeabilidade vascular, em que há vazamento dos vasos sanguíneos para os tecidos adjacentes, provocando dificuldades respiratórias e complicações em órgãos vitais, como cérebro, fígado e rins. Esses sintomas em indivíduos com sobrepeso indicam maior risco. "Alguns estudos indicam que em pessoas com índice de massa corporal elevado, seus capilares são intrinsecamente mais propensos a vazarem, o que é agravado numa infecção por dengue", enfatiza Mirella. Ela reforça a importância do acompanhamento periódico e da dosagem de medicamentos para doenças pré-existentes. "É uma recomendação fundamental, assim como evitar a automedicação, especialmente, o uso de anti-inflamatórios e procurar o médico assim que constatar sintomas das doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti", finaliza Mirella. Para evitar a dengue o ideal é combater os focos de acúmulo de água e locais propícios para reprodução do mosquito transmissor, usar repelentes e roupas que evitem exposição de pele e evitar lugares conhecidos como áreas endêmicas.

Fonte: R7


Ver todas as notícias