Menu:


Ao Vivo

Links Úteis

Nossa Audiência


Estatísticas:

Total de visitas: 298561
Visitas hoje: 2


NOVA PARALISAÇÃO?

Pneus são queimados em rodovia do RS, e PRF suspeita de caminhoneiros


RádioA Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou queima de pneus na noite desta quarta-feira (22) em três pontos da BR-285 em Ijuí, no Noroeste do Rio Grande do Sul. Ninguém foi encontrado nos locais, mas a suspeita da corporação é de que caminhoneiros estejam por trás dos atos. A categoria prometeu novas paralisações em todo o país a partir da 0h desta quinta-feira (23) após uma reunião nesta quarta com o governo federal, em Brasília, terminar sem acordo. Os caminhoneiros exigiam que um valor mínimo para o frete fosse fixado, o que foi descartado pelo governo. A queima de pneus ocorreu às margens da rodovia nos km 453 (aeroporto), 458 (Bom Pastor) e 464. Não havia ninguém nos locais, mas a PRF diz que está investigando quem foram os responsáveis pelos atos. Não há interrupção do trânsito nos trechos. Segundo a PRF, a suspeita recai sobre os caminhoneiros porque o mesmo procedimento foi adotado pela categoria nos protestos de fevereiro, quando os motoristas se mobilizaram e impediram a passagem de veículos de carga em rodovias por todo o país – o Rio Grande do Sul foi um dos estados mais afetados.
Reunião em Brasília:
Os caminhoneiros e o governo federal não se entenderam em relação ao preço do frete, que é uma das principais reivindicações da categoria. Os motoristas queriam uma tabela com valores mínimos, o que foi descartado pelo governo. Pelo menos um ônibus com caminhoneiros gaúchos participou do encontro na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), na capital federal. Sem acordo, eles dizem que vão retomar a greve. “A partir da meia-noite de hoje (22/04), o Brasil vai parar. E vai mostrar que existe possibilidade do governo reassumir o seu compromisso com a população de defender aquele que mais precisa de governo”, afirmou Carlos Alberto Litti Damer, do Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos de Ijuí. Segundo o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, o tabelamento impositivo do frente “não tem apoio constitucional e é impraticável”, devido, por exemplo, às diferenças na qualidade das estradas e dos tipos de cargas transportadas nos diversos pontos do país. Ele diz que o governo não acredita na greve, mas que vai monitorar a situação. “Nós vamos acompanhar como sempre acompanhamos, mas por conta das conquistas que são reais, objetivas, que melhoram a qualidade de vida dos caminhoneiros, dos trabalhadores. Nós estamos seguros de um amplo apoio por parte da categoria a essas medidas e um processo permanente de negociação para a promoção de conquistas futuras da categoria e melhoria do setor”, disse Rossetto.

Fonte: G1


Ver todas as notícias