Menu:


Ao Vivo

Links Úteis

Nossa Audiência


Estatísticas:

Total de visitas: 298780
Visitas hoje: 47


Restrição parcial do aeroporto de Chapecó causa prejuízos em cascata

Lideranças temem efeitos negativos nos negócios, comércio e serviços no Oeste


RádioDepois de Santa Catarina sofrer com a estiagem que provocou perdas de cerca de R$ 550 milhões para a agricultura, agora a restrição de voos com mais de 72 passageiros no aeroporto de Chapecó provoca uma cadeia de prejuízos no Estado.

Comerciantes e empresários da região estão sendo prejudicados com a medida, que começou a valer por determinação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) na última quinta-feira. Três eventos de grande porte programados para este mês e abril estariam ameaçados.

O aeroporto de Chapecó foi o que registrou o maior crescimento no Estado nos últimos cinco anos. Entre o primeiro semestre de 2007 e o mesmo período do ano passado, o número de passageiros no aeroporto de Chapecó aumentou 83,5%.

A medida da Anac prejudicou a operação das companhias Gol e Avianca, que tinham quatro voos diários entre chegadas e partidas, com destino a Florianópolis e São Paulo. Elas operavam com aeronaves de 144 (Gol), 120 e 100 (Avianca) lugares. As empresas NHT e Trip não devem ser afetadas porque operam com aeronaves com um número menor de passageiros.

O vice-presidente da Federação da Agricultura e da Pecuária do Estado de SC (Faesc), Enori Barbieri, acredita que metade da movimentação do aeroporto era formada por técnicos, executivos e outros funcionários que trabalham com a agroindústria. Eles terão a mobilidade prejudicada e suas empresas, que dependem do aeroporto para a chegada de insumos, este abastecimento alterado.

— Essa restrição vai trazer um grande transtorno para quem tem por hábito ir e vir de Chapecó, cidade-pólo no Oeste, principalmente para São Paulo. Ainda não temos como mensurar os prejuízos, mas eles serão consideráveis para toda a cadeia do setor de aves e suínos do Estado — explica.

Atraso nos negócios

Na prática, segundo o presidente da Faesc, as complicações podem chegar à protelação de negócios em andamento, por parte dos executivos e, no caso dos técnicos, atrasos na prestação de serviços nas diversas unidades de grandes indústrias como BRF Brasil Foods, Marfrig e Aurora.

Estas empresas, com produção no Oeste, também teriam que achar alternativas para a vinda de insumos básicos com chegada, até então, via aérea, como pintinhos com um dia de vida, materiais de laboratório e genéticos.

Além dos prejuízos diretos para a indústria, dois grandes eventos do setor, programados para o próximo mês, estariam em risco, segundo Barbieri. Tanto o InterLeite Sul 2012 - 3º Simpósio sobre Produção Competitiva de Leite Região Sul quanto o 13º Simpósio Brasil Sul de Avicultura dependeriam do aeroporto para a chegada de palestrantes internacionais e de participantes vindos de fora.

Outro evento programado para a cidade que poderá ser prejudicado é o Expen 2012 - Feira de Multisoluções em Gestão, Serviços e Tecnologia programada para o final deste mês. O presidente do Conselho das Entidades Empresariais de Chapecó, que congrega 16 sindicatos e entidades empresariais do município, Gilberto João Badalotti, acredita que os prejuízos para a região serão generalizados.

— Teremos cerca de 1 mil passageiros por dia que serão prejudicados. Para os próximos dias, já tinham sido vendidas 15 mil passagens. Esses prejuízos vão afetar a todos, das indústrias até o comércio e os prestadores de serviços — explica.

A alternativa mais próxima para os usuários do Oeste seria o aeroporto de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, distante duas horas e meia de automóvel de Chapecó.

Prejuízo para agências

Os prejuízos, segundo o presidente do conselho, serão sentidos por agentes de viagens, que deixarão de vender passagens, por comerciantes, a rede hoteleira, bares, restaurantes e taxistas, que já temem registrar uma queda expressiva no número de clientes na região.

— Chapecó está muito distante dos outros pólos do Estado. Dependemos muito do aeroporto e não temos uma cidade próxima que possa suprir esta necessidade. E o pior de tudo é que a Anac não nos avisou com uma antecedência razoável, de uma semana ou 15 dias, para que pudéssemos reprogramar compromissos — questina.

O vice-presidente da Associação Catarinense de Avicultura (Acav), Bento Zanoni, afirma que a agroindústria será bastante prejudicada com a medida da Anac, e lamenta que usuários da região tenham que procurar alternativa em um aeroporto do RS.

— O número de pessoas que voavam por Chapecó a cada mês era bastante significativo, e agora poderão ser usadas aeronaves com até 72 lugares. As companhias aéreas não estão preparadas para isto, e esta alternativa não irá suprir a demanda.

Fonte: Clicrbs.com.br


Ver todas as notícias